domingo, 3 de junho de 2012

Materiais Concretos e Jogos


Nesta parte do site vou falar um pouco sobre os jogos e o uso do material concreto nas aulas. Muitos educadores acreditam que estes recursos deixam a aula mais divertida, com um ambiente mais agradável para a aprendizagem, e por consequência os alunos irão aprender. Eles estão corretos? Será que todos os estudantes gostam de jogar?

Fonte: http://blogdebrinquedo.com.br/wp-content/uploads/2008/09/xadrez-usb-bdb01.jpg

Com estas estratégias a aula fica mais descontraída, mas a aprendizagem somente se constrói quando é “bem planejado e orientado” auxiliando no desenvolvimento de diversas habilidades. Não basta levar estes materiais para dentro da sala de aula, o docente deve conhecer estes recursos, saber lidar com eles, e assim traçar alguns objetivos que pretendem que sejam alcançados.
“Todo jogo por natureza desafia, encanta, traz movimento, barulho e uma certa alegria para o espaço” (SMOLE. DINIZ. MILANI. 2007, p. 10). O professor ao trazer estes materiais para a sala de aula, não deve esperar que os estudantes permaneçam em silêncio. Eles vão conversar, mas este diálogo deve abranger as estratégias usadas durante o jogo e, portanto o conhecimento desenvolvido no jogo. O professor deve ficar atento no jogo para estimular os estudantes a refletirem sobre suas ações e também ficar atentos aos grupos que estão desanimados. Um objetivo do jogo é deixar a aula mais atrativa, mas quando alguém sempre perde, será que ele está gostando do jogo? É obvio que não, por mais que ele tenha o desafio de ganhar, o docente pode manipular e fazer algumas trocas de duplas ou grupos para que estes alunos fiquem mais motivados e não percam o gosto pela atividade lúdica ou o jogar pedagógico.

Fonte:  http://2.bp.blogspot.com/-I_LCz4kdi5A/TyRO6Bt-2AI/AAAAAAAAATw/SmYrCcsSmvE/s1600/material+dourado+3055.JPG

Fonte: http://elisefernandamello.pbworks.com/f/classificac.jpg

Fonte: http://www.compuland.com.br/cxp/Aula%20no%20Chagas%20Filho.jpg

Como avaliar se os usos destas estratégias estão resultando em aprendizagem? Como o docente pode fazer esta avaliação? Avaliar sempre é um processo árduo e complexo, agora avaliar se o jogo está dando resultado é mais amplo. Dificilmente o docente vai notar quando uma criança ou um grupo entenderam o real motivo do jogo, por isto que sugiro que os estudantes façam registros. Seja o registro feito após a primeira até a última manipulação, pois assim o docente tem por escrito o que cada estudante compreender com o jogo, as relações que ele conseguiu estabelecer, além de conhecer as lacunas deixadas neste processo.
Citei acima da primeira até a última manipulação, pois quando se jogo a primeira vez serve para conhecer o jogo, somente a partir da segunda, terceira vez que os estudantes conseguem traçar estratégias e começam a interagir com estes materiais. Não adianta ter pressa nesta metodologia, o jogo tem por objetivo levar o aluno a reflexão e ampliação do seu conhecimento. Quando proposto um jogo, ele deve ocorrer numa continuidade de aulas fazendo parte de uma sequência didática, não somente num único momento da aula.
Portanto, o jogo não é uma fórmula mágica de levar o estudante a uma aprendizagem significativa e prazerosa. E sim, um instrumento que quando bem organizado, planejado e com seu objetivo claros faz com que os estudantes estabeleçam relações e construam novos conhecimentos, ampliando seus saberes de forma concreta e alegre.

Referências:

FIORENTINI, D. Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no ensino da Matemática. São Paulo: Boletim SBEM-SP. Ano 4. no 7.
SMOLE, K., DINIZ, M. I., MILANI, E. Jogos de Matemática de 6o ao 9o ano. Série Cadernos de Mathema - Ensino Fundamental. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário